24/01/15

Gostava que estivesses aqui

Gostava
que estivesses aqui,
mas não estás.
Há muito
que não estás.
Ter-te a meu lado
é coisa de outra vida.
Uma vida
que ficou algures,
perdida
num tempo
que estes anos
afastaram de mim.
Ter-te a meu lado
já não é coisa
que guarde
nas prateleiras
da lembrança.
Ter-te a meu lado
parece que foi sonho
que tive um dia.
Desses sonhos,
de tantos,
que a gente
tem na vida,
de que ficam
apenas
fragmentos
esfumados
espalhados
nos cantos
do nosso ser.
Gostava
que estivesses aqui.
Gostava
de, enfim,
ter-te a meu lado.
Gostava
de poder
olhar
teus olhos,
uma vez que fosse.
Esses olhos
que me olhavam
como mais
nenhuns
olharam.
Gostava
de poder falar-te.
Gostava
de poder ouvir
o que tinhas
para me dizer,
que fiquei
sem saber.
Faz tanto tempo,
que não sei
se vivi-te
ou se sonhei-te.


19 comentários:

Til disse...

Podemos sempre complementar as vivências com os sonhos,ou então fazer o contrário!

ReltiH disse...

ufffff, un texto para meditar!!
un abrazo

Arlete Mourige disse...

Realidade ou sonho?Uma romântica e saudosa vivência.Bom fim de semana.Bjs

Amara Mourige disse...

Belíssimo texto!
Beijos
Amara

Elvira Carvalho disse...

Um poema triste mas belo. Gostei.
Um abraço e uma boa semana

Graça Pires disse...

Um poema melancolicamente belo. A ausência que nos põe os olhos rasos de água e no coração aquela saudade, tanta...
Obrigada pelas palavras deixada no poema que fiz à minha mãe. Fez cinco anos que nos deixou...
Um beijo.

Jossara Bes disse...

Lindo demais!
Fiquei "suspirenta" dentro das tuas palavras!
Palavras revestidas de saudade, de carinho e ternura!
Tenha uma semana muito feliz!

Lia Noronha disse...

Carmem conseguiste fazer da distância...um elo eterno com a poesia!!!adorei seu estilo!! Abraços e obrigada pelo carinho no meu cotidiano,

Lia Noronha disse...

Carmem adorei Td por aqui!!! Bjinsss

heretico disse...

poema cativante - de uma melancolia doce e envolvente.

beijo

Regina Magnabosco disse...

Olá, Carmem.
Gostei da construção "Gostava que estivesses..."
É a saudade da outra vida - passada, futura ou simplesmente outra presente.
Muito bom!
Um abraço.

Cadinho RoCo disse...

Entregue-se ao agora de frente para o futuro e por certo gostarás do que está por vir.
Cadinho RoCo

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema belo embora encerre uma nostalgia muito forte.
gostei muito.
estou a voltar aos poucos.
ja tenho novo poema no meu espaço.
http://olharemtonsdemaresia.blogspot.pt/

beijinho

:)

EU disse...

E dói tanto quando a ausência é para sempre!
Um poema belo pela emoção colocada no verso!
Meu bjo, Carmen :)

SOL da Esteva disse...

Mitiga a tristeza. Ela dá para o lado da Espiritualidade e reforça a força para arrostar com as saudades.
Belo Poema.


Beijos


SOL

Manuel disse...

Este poema transborda de ternura.
Tem muita mágoa, mas muita esperança.
Espero que não seja sonho, porque é indicio de um grande amor.

Moacir Willmondes disse...

O que realmente nos falta sempre está presente...

Tocante poesia, Carmem.

Um abraço!

Dilmar Gomes disse...

Belos versos intimistas. Um abração. Tenhas uma linda semana.

Rosamaria disse...

Olá, Carmem!
Vim agradecer atua visita e me encantei com o teu blog.
Linda poesia!
Obrigada, querida, volte sempre!
Bjim