16/02/11

Te tocar até tua pele cansar...




Quando seu corpo pedir
à própria mão
que deslize
pelas costas até
onde mais longe chegar...
E mesmo assim,
ficar ainda faltando
aquele centímetro de pele
a ser tocada...
Me chame.
Eu não me cansarei
de deslizar meus dedos
por cada célula da sua pele.
Eu não recusarei
a você o prazer
do toque mais íntimo
que desperte
no recôndito
do seu cérebro
essa descarga eléctrica
que falta para
sossegar sua alma.
Sua pele vai cansar
de tanto sentir,
de tanto vibrar.
Sua pele vai atingir
o apogeu
num simples arrepiar.
Sua pele vai ferver
e a transpiração
vai transbordar
desses poros adormecidos.
E nesse extenso toque
que não será
mais que um toque, apenas...
você conhecerá o êxtase,
você viverá o sentir.
E eu só páro
quando sua pele cansar.





3 comentários:

Mari Amorim disse...

que delicia de poema,Carmem!
Boas energias,sempre!
bjs,
Mari

José Carlos Sant Anna disse...

Epa! Que delícia de mãos o eu oferece ao tu. E claro, ainda que não esteja manifesto, ele não aceitou... Um belo poema, Carmem!
Aproveito e agradeço o passeio pela rua em que se encontra o meu blog.
Volte sempre que adorei o teu olhar.
Abraços,

Vall Nunnes disse...

A plenitude do prazer que as mãos podem proocionar, ai delícia.
Até logo menina!