05/04/14

Sedução

https://pixabay.com/pt/photos/?image_type=&cat=&min_width=&min_height=&q=+amantes&order=popular



Hoje ao sentir-te perto de mim, assim tão perto, quase que a se tocarem nossos rostos…obriguei-me à serenidade, para que não transparecesse a emoção do momento.

Mas podia sentir tua respiração quase que imperceptível, qual brisa suave, a soprar-me no rosto.
A provocar-me um arrepio que me percorreu toda a coluna numa rapidez, como se de uma descarga eléctrica se tratasse.
Ah… quisera eu que se prolongasse no tempo tal momento. Mas de tão fugaz, restaria, por certo, a dúvida de o ter vivido, não fosse guardar ainda teu cheiro másculo na memória.

Quisera eu saber que sensação te provocara tanta proximidade…
Quisera eu saber se aquela respiração compassada e contida que te sentia era o respirar do meu perfume.
Com certeza o sentias. Seria impossível que assim não fosse.
Inebriei-te?
Seria essa a razão de tanta demora, que me pareceu eternidade, antes que proferisses palavra?

Quisera eu saber se também te provocara um arrepio pela coluna, o sentir-me tão próxima de ti, a milímetros do teu desejo.
Porque te limitaste ao “até amanhã” e te contentaste com o meu “até à próxima”?
E de “até amanhã” em “até amanhã”, permitimos que os anos nos mantenham afastados…
Acaso esperavas de mim menos comedimento?

Infeliz de ti, que me tomas por outra.
Não serei eu de tal casta, mas sim daquela a que pertencem as mulheres que anseiam o reconhecimento da conquista.
Pois que não me limito a ser oferta. Mera amostra grátis, de um qualquer expositor.

Mesmo que me corroa a ânsia de teu toque, manter-me-ei serena.
Mesmo que o desejo de respirar teu cheiro, de tocar com meu corpo tua pele que meus olhos inebria, mesmo que a vontade de ter tuas mãos a me percorrer as costas arrepiadas me enlouqueça a razão…mesmo assim, manter-me-ei serena.

Porquê?

Porque mais do que desejar-te a ti, desejo eu a volúpia deste roçar ao de leve, deste respirar quase inaudível, mas que arrepia os sentidos…
Desejo o desejo que a carne não sacia.
Chama-me louca!
Pouco importa.
Este é o verdadeiro prazer, digo-te eu.

8 comentários:

ANA PAULA disse...

Bem...minha amiga!!!! Como descreveste bem a tal sensação efémere da sedução... É a fase mais inebriante de uma relação...Quem dera que a "conquista" nunca acabasse. Mas tem cuidado, não te mantenhas serena demais...há que saber estabelecer e delinear bem, os limites da procura/oferta.
Beijinhos...adorei!!! (quase que senti o arrepio na espinha eheheh)
:))

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Tomando o cafezinho que me ofereceste leio teu texto quente ,provocante e ...triste!

Ah! a gente sente mesmo saudades do sentimento e muitas vezes,nem é a pessoa que o causou que importa...

Saudades de sentir...

Gosto demais de todo este azul que encontro em tua "casa"!

Adorei o café!

Até a próxima!

Um beijo!

Sonia Regina.

Cris Henriques disse...

Olá Carmem.

É a minha primeira vez aqui.
Estou inebriada pela tua forma de escrever, que me tirou o folgo e me acendeu o fogo, ao pensar naquele alguém.
Gostei de te ler e vou voltar mais vezes. Escrita apaixonada e intensa, que arrepia o nosso ser.

Bom fim de semana!

Beijinhos,

Cris Henriques

http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

Ani Braga disse...

Vim retribuir tua visita e gostei muito do teu blog!!!
Tudo lindo e de muito bom gosto, por isso resolvi ficar.

Beijos
Ani

HTTP://cristalssp.blogspot.com.br

Graça Pires disse...

É mesmo paixão.
Gostei muito deste texto onde a alma se expõe toda...
Beijo.

Arte & Emoções disse...

Quem dera, estes momentos de sedução perdurassem para sempre. Lindo Carmem o teu texto. Parabéns!

Hoje, depois de um longo e tenebroso inverno, consegui ter o prazer de me fazer teu seguidor.

Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

Furtado.

ZilMar disse...

adorei seu blog...

vc escreve demais!!!!!

parabéns!!!

deixo meu carinho...

Zil

Amara Mourige disse...

Carmem, belíssimo texto!
Beijos
Amara