25/05/16

Tempo de te amar



Veio o tempo
e o tempo se foi.
E eis que chegou o tempo
em que já
não me resta muito tempo
de ter tempo
e dar tempo
ao tempo.

Se deixo passar
o tempo,
o tempo foge
e fico sem tempo
de ter tempo
de te amar
com tempo.








Este poema tão pequenino saiu-me assim tipo: zás-tráz!
Chegou, de súbito, à ponta do lápis, que quase não lhe conseguia acompanhar o nascer, que era assim como o brotar da água na fonte.
Em menos de um instante já estava cá fora. Meio sem querer, sem buscar palavras, que essas corriam à frente do pensamento.
E de tão pequenino e singelo o poema se fez grande em significado para mim.

Embora saibamos dizer que o tempo é fugaz não o vivemos com a verdadeira consciência da fugacidade.
Porque, para nós, o tempo não passa.
Julgamo-nos eternos e, mais que isso, eternamente jovens, eternamente sãos e eternamente eternos.

E, assim, andamos tão enganados a acreditar ter tempo, tanto tempo…
Porque não vivemos o verdadeiro tempo, aquele tempo que corre e não pára para descansar nem para nos dar tempo.
Vivemos o tempo irreal, o tempo que julgamos que espera por nós.
Prova disso é a construção de planos aos montes que nunca se chega a colocar em prática, num adiar eterno, por uma ou outra razão.
Passamos uma vida inteira a acreditar piamente que ainda vamos a tempo.
- se não for este mês, é no mês que vem.
- se não for no mês que vem, será no outro.
E nisso passa-se um ano.
E passa outro.
E mais outro.
Até que chegue o dia em que nos apercebamos que passou tempo a mais e a gente:
- não fez.
- não foi.
- não visitou.
- não viajou.
- não comprou.
- não viveu.
- não amou.
- não nada do que planeou.

E o tempo acabou.

2010


28 comentários:

IVANCEZAR disse...

O senhor Tempo - esse cruel e infreável monarca da vida - presente e entendido desde muito cedo ... lembrei-me de minha caçula chegando em casa há alguns anos , desafiando com a frase que aprendeu na escola :" o tempo perguntou para o tempo quanto tempo o tempo tem...." - O poder paterno sabe lidar com isso com sabedoria - mães e pais - devem passar para seus descendentes essa ideia do que pode ser medido e do que não pode ser medido. Papai do céu sempre é chamado para "desaperto" do que os adultos não conseguem dominar, não é mesmo amiga ??

Mary Brown disse...

Carmen está tudo aqui, tudo o que penso do tempo, da importância que não lhe damos quando somos jovens, porque pensamos que somos eternos e, quando a idade avança vivemos angustiados porque sabemos que acabaremos por partir sem termos vivido.
Beijinhos e obrigada por me teres dado oportunidade de ler a tua maneira de ver o tempo que eu, sem tempo, teria perdido se não me tivesses visitado.

Nyce Pinto. disse...

Não poderia deixar de vir ler e refletir com o "TEMPO" tão bem descrito por você! Verdades que muitas vezes "camuflamos" com medo de estar perdendo "tempo" com coisas que não julgamos ser tão especiais! E depois que o "tempo" passa e não temos mais como voltar atras, nos vemos as voltas com sentimento de tanta saudade de um "tempo" que não volta mais! Adorei teu poema e a reflexão de encerramento! Aplausos! Muita luz!

✿ chica disse...

Carmen, falaste tudo nesse poema...é bem assim que aco0ntece! E tuas reflexões completaram muito bem o pensamento e inspiração... Achamos que temos tanto tempo ainda pra fazer isso , aquilo... E,de repente, vemos que ainda que tempo tenhamos, já não podemos mais fazer nem a metade do que faríamos antes.... Adorei! bjs, tudo de bom,chica

Boop disse...

Tantas vezes discuto o tempo dos outros, o como o querer tudo é não ter nada, ou como há planos que tem prazo de validade, ou como se faz de conta que o tempo não passa para não ter de lidar com as perdas que vão acontecendo e ao mesmo tempo não se pode viver,ou.... e depois... Desperdiço o meu.
Agradeço (de verdade) a tua chamada de atenção!

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, o tempo não para e não nos dá tempo para parar sem tempo, foi encantador ler e a sua descrição sobre o tempo.
Resto de boa semana,
AG

Aline Goulart disse...

Eu gosto de poesia assim: que nasce subitamente. Ficou muito bonito.
Se tem uma coisa na vida que eu não gosto, não gosto mesmo, é de sentir que estou perdendo tempo. A vida é tão preciosa para deixar passar, sem aproveitar o essencial. Tu escreveste muito sobre esse assunto. Nós achamos que temos tempo para tudo, e vamos empurrando conforme um quê aqui, outro motivo ali, quando a gente percebe já passou. E nada mais pode ser feito.
Ótimo fim de semana. Beijinhos.

Vera Lúcia disse...


Olá Carmem,

Adorei o poema. Gosto de poemas neste estilo, pequenos, singelos, ritmados e significativos.
Pensamos ser senhores do tempo e que temos todo o tempo do mundo para viver, idealizar e realizar. Ledo engano! Adiamos demais por acreditar que o tempo está à nossa disposição e, quando percebemos, já o perdemos para muitos projetos sonhados. Melhor mesmo seria aproveitá-lo a cada minuto, pois ele não espera; simplesmente voa.

Obrigada pelo carinho! Fiquei feliz por ter ido lá me deixar um beijo.

Belos e felizes dias.

Beijo.

O meu pensamento viaja disse...

Carmem, é isso mesmo! Gosto de avaliar diariamente o que fiz do meu tempo. Se ele não estica, pelo menos concretizo e contabilizo.
Gostei do poema, tão sintético.
Beijos

Toninho disse...

Carmem é lindo quando um texto nos cai no colo com toda esta graça e beleza.
Linda inspiração acelerada.
Vai meus aplausos pela bela arte.
Coincidente falo do tempo também.
Haja tempo e ação amiga.
Bom e lindo fim de semana.
Bjs de paz.

alfacinha disse...

O tempo que vai não volta
Abraço

Minhas Pinturas disse...













Querida poeta Carmem
Inspiração é assim chega sem tempo marcado, surge e pronto.
O tempo na sua inspiração mostra-nos como desperdiçamos nosso tempo o tempo todo.
Ah, faço amanhã, ainda tenho tempo,aí o tempo passa o tempo voa e nossa vida se esvai dura pouco tempo.
Em tempo: Achei seu pequeno verso uma grande poesia.
beijinhos, Léah

Arco-Íris de Frida disse...

Vivemos com a certeza que temos um tempo determinado, que ele passa rapido, mas agimos como se ele nao tivesse fim... muito bem escrito seu texto sobre o tempo...

Beijos, Carmem...

Mariazita disse...

Olá, Carmem.
O tempo! Esse velho companheiro, que passamos a vida a perseguir e nos escorre por entre os dedos...
Mas... sem perda de tempo, tenho que dizer que gostei imenso do seu "pequenino/grande" poema.
Sabe que comigo acontece o mesmo?
Não me canso de dizer que não sou poeta/poetisa, porque não me sinto como tal. Mas, de vez em quando, sem saber como nem porquê, assaltam-me umas ideias que "correm ao sabor da pena" e a que as pessoas chamam poemas :)))
Para além do poema (poema a sério!) gostei também da sua dissertação acerca desta tema inesgotável - o tempo.

Bom Fim-de-semana
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Célia Cavaco disse...

Há um tempo,que por momentos é tão nosso, que a sensibilidade,a inspiração, torna-se dona e senhora desse mesmo tempo por vezes ausente e fugaz que a sintonia das palavras com a escrita é um instante de tempo.É um abrir de alma...

Isabel disse...

É bem verdade isso. E a vida está constantemente a fintar-nos. Já fiz muitos planos para "depois...". Hoje faço menos, precisamente por isso; a vida passa depressa e temos que viver o dia.

Gostei muito do post:)
Beijinhos. Bom fim-de-semana:)

Anete disse...

Bonito poema e reflexão também, Carmem!
O tempo precisa ser bem aproveitado e abraçado... Não é sábio desperdiçá-lo... Ele passa, não para, dispara!
Meu abraço

graça Alves disse...

Obrigatório adicioná-la!
Obrigada por me descobrir...foi no meu poema à mãe que a descobri e ainda bem!
Parabéns!
Abraço

redonda disse...

Gostei do poema (e na sexta-feira por coincidênciafui ao cinema ver A Alice atrás do espelho onde nos aparece um Senhor Tempo :) e do texto para pensarmos.
um beijinho e um bom Domingo

Olinda Melo disse...


Bom dia, Carmem

Tempo de deixar falar o coração. É assim que conseguimos dar-lhe a volta, ao tempo, e fazer as coisas sem adiamentos.É aquele dizer "gosto muito de ti", aquele agarrar a mão, o gesto, o olhar, a palavra amiga que não espera.

Situações que não precisam de planeamentos mas que, no entanto, deixamos passar de hoje para amanhã, de amanhã para depois, como se fôssemos realmente eternos. Na verdade, num "ai tudo se esvai", assim de repente, sem avisos e contra tudo o que é racional ficamos sempre espantados, como se não soubéssemos já que não controlamos nada.

Minha amiga, muito obrigada por esse lindo poema que contém um mundo de significado e pela sua prosa que nos coloca no centro de um tema sobre o qual deveríamos meditar todos os dias, como se cada dia fosse o último.

Desejo-lhe um bom domingo.

Beijinhos

Olinda

VENTANA DE FOTO disse...

Sabemos que el tiempo es efímero y por eso hay que aprovechar el presente...el pasado ya tuvo su lugar y el futuro es incierto.

Besos

Miss Smile disse...

O tempo não se vê nem se sente. O tempo, por si, é coisa que não existe. Somos nós que lhe damos corpo, porque nós somos feitos de tempo. Dividimo-lo em minutos, horas, meses e anos. É assim que compartimentamos a nossa vida, dividindo-a em fatias de tempo. Por isso, o tempo é sempre um estado de espírito. Há minutos que duram horas e há horas que duram dias. Vivemos o tempo como vivemos a nossa vida.
O poema, curto e singelo, encerra uma grande sabedoria. Parabéns!

Um beijinho, Carmem

Janita disse...

Olá, Carmem,
Quando o pensamento flui, não se pode dar-lhe tempo. Há que o deixar fluir. Assim tu fizeste e em três tempos nasceu um lindo poema, que perdurará através do tempo.
A prosa igualmente significativa, de como o tempo corre veloz.
Há que aproveitar bem cada minuto e deixar que ele se escoe em harmonia e paz.

Gostei muito deste teu sentir que tão bem soubeste descrever.

Um beijo amigo / Janita

Emília Pinto disse...

Nunca é perda de tempo falar do tempo, refletir no que fazemos com o tempo que nos foi dado viver. Tu soubeste muito bem aproveitar esse teu tempo, esse instante só teu em que num "zas-tras" pegaste num lápis e na folha branca riscaste palavras simples de uma profundidade imensa. Pensaste que de novo era tempo de fazer uma reflexão sobre esta dádiva da vida que julgamos eterna , mas que acaba nesse mesmo "zás-tras". E num " zás trás" podemos ir, podemos visitar, telefonar, abraçar; há quem tenha passado muito tempo de trabalho, de sofrimento, de canseira e agora se veja com pouco tempo para desfutar das pequeninas coisas que a vida noutro tempo não lhe proprcionou; mas esse pouco tempo que, pelo tempo já vivido, lhe restará, é um tempo longo de solidão, onde cada instante parece uma eternidade, onde raramente lhe chega uma palvavra de conforto, um ouvido que a escure, uma mão que a ajude a levantar-se do lugar onde passa o tempo que demora uma eternidade a passar. Já fez muito, já escutou, já ajudou, consolou e agora? Não há uma luz que entre na nossa alma e que num "zás trás nos faça levantar do nosso sofá e nos diga : vai, visita, consola, fala, escuta, ajuda a que o tempo desse alguém tenha instantes reais, vividos com qualidade. Há quem, amiga, tenha já vivido tanto tempo, que fazer planos neste seu tempo nao faz qualquer sentido, e será com certeza um desperdício de tempo. Conheco esse alguém e há pouco sai de lá com a sensação de que tive o meu tempo, o meu instante de luz . E este teu tempo, Carmem fez-me refletir no meu tempo, no sentido que tenho dado a ele e fez-me também passar para o papel a sensação que provocou na minha alma este teu poema,imples, singelo, mas importantissimo para todos nós. Foi um tempo perfeito para ti, para mim e com certeza para muitos que te visitam.Obrigada, querida amiga! Beijinhos e um abraço longo, bem apertado, um abraço com tempo
Emilia

Suzete Brainer disse...

Olá Carmem,

Eu comentei no domingo este teu post e não sei a razão
que não foi publicado,às vezes isto pode acontecer, por
isso te deixando outro comentário...rss
O teu belo poema e texto nos chama atenção para o "Aqora",
o tempo presente como único tempo a ser vivido e nada
melhor do que viver nutrido dos melhores sentimentos,
ó tempo presente para amar!...
Beijos, querida.

JANE GATTI disse...

Bela postagem. Boa reflexão. Realmente, o único tempo que existe é o Agora. Sofremos pelo que já se foi e ansiamos ou sonhamos pelo que há por vir, esquecendo-nos de nosso verdadeiro tempo/momento: Agora! Abraços.

Ana Freire disse...

Tão verdade!!!
Nem sempre tudo fazemos, o que está ao nosso alcance, para agarrar o nosso tempo... pois nunca estamos conscientes do aqui e agora, que é tudo o que temos... vivemos espartilhados entre o que passou... e as incertezas e preocupações do futuro... e o tempo assim vai passando... cheio de vida... por viver...
Como sempre, um post profundo e extraordinário, Carmem!
Adorei cada palavra... do texto e do poema... a inspiração é assim... surge-nos de repente... há quem diga que é quando um anjo nos sussurra ao ouvido...
Beijinhos
Ana

Odete Ferreira disse...

E porque me é cara a temática e porque subscrevo o conteúdo da mensagem, quer a do belo poema, quer a que perpassa no texto em prosa, não é necessário acrescentar mais nada.
(Já há algum tempo que tento fruir de todo o tempo!)
BJO, Carmen :)