19/05/15

Os ventos indomáveis moram aqui




Os ventos que vieram do norte frio escolheram esta terra para morar.
Eu bem disse à terra que fechasse suas portas e não os deixasse entrar. Mas esta doce senhora que acolhe os que chegam, respondeu-me que não era de bom-tom não abrir a porta às visitas e, recebeu os desaforados que se instalaram e deixaram-se estar por cá.
Fizeram-se senhores desta doce terra e até enxotaram, para o lado, o bom calor que já cá estava.
E sopram e bradam e descabelam, deixando em despreparo toda a gente, que se divertem a empurrar!

São terríveis estes ventos indomáveis!

Às árvores, quando passam por elas a correr, roubam as folhas viçosas com que a primavera as vestiu e jogam ao chão os pequeninos frutos acabadinhos de nascer, que ainda mal se seguram à mãe.
Azucrinam as gaivotas que até voam de lado quando os ventos cismam de lhes soprar.
Entram-nos pela casa adentro, os malcriados! a bater portas e janelas, como se a casa fosse deles! E saem, de novo, a correr antes que os possamos agarrar.

Anda toda a gente desta terra, que era doce, em polvorosa, por conta dos ventos indomáveis, terríveis, malcriados! que querem é roubar-nos o sol, mas pouca sorte hão-de ter, porque esse, é nosso e, já tratou de enviar seus raios doirados que fincaram raízes num lugar secreto, algures por trás da montanha. E esse é segredo que os ventos, por mais que soprem, não conseguirão saber.


52 comentários:

lua singular disse...

Carmem,
Que delícia de postagem
Você vai nos levando para um mundo leve e sutil.
Adorei
Parabéns contista.
Beijos

Maria Eu disse...

O malvado do vento que nos descompõe! :)

beijos, Carmem. :)

✿ chica disse...

Carmem, muito lindo te ler e com sol legal, até os ventos não atrapalham! bjs, tudo de bom,chica

P' disse...

Que linda conjugação de palavras :) e o tempo realmente anda malandro, sem se decidir, só espero que o Sol vença esta luta incessante contra o vento e o frio :)

Arco-Íris de Frida disse...

Adoro o vento...

Beijos...

Olinda Melo disse...


Olá, Carmem

Uma bela personificação e dramatização do vento. Sim, por mais que queiram os maus ventos, que têm soprado, não nos levarão de vencida.Havemos de agarrar-nos ao nosso lugar ao Sol com unhas e dentes. E daqui eles não nos tiram nem nos farão baquear, porque forte é a luz que nos alumia.

Beijinhos

Olinda

Luma Rosa disse...

Oi, Carmem!
A Terra tem juízo... Que venha, Bóreas! Aos que o sentem na pele, perder o juízo se justifica.
Que gelo está por aí! Bru... Rendeu uma senhora crônica! Lembrei de Pessoa em "Vendaval".
Beijus,

Marisa Giglio disse...

Seu belo texto chega como um vento indomável de criatividade a nos encantar com sua leitura . Obrigada e parabéns . Beijos .

Bergilde disse...

Intensa e profunda leitura da realidade que nos circunda,exprimindo em si desejos coletivos,parabéns pela escrita! Bom dia!

Mariangela do Lago Vieira disse...

Oi Carmen, mas que delicioso texto!
Adorei ler!
E tomara que o sol ocupe o seu espaço para sempre... E que o vento seja mais humilde e mais brando!
Um lindo dia ensolarado pra você!
Beijos,
Mariangela

Helena disse...

Carmem, que belo texto poético! Vai-se lendo, devagar, saboreando cada palavra, absorvendo o sentido de cada frase, e aos poucos vamos nos apercebendo da poesia que permeia todo o texto. Tão lindas as imagens formadas! Quedei-me na doçura do vento a passar pelas árvores, roubando folhas e jogando ao chão "os pequeninos frutos acabadinhos de nascer, que ainda mal se seguram à mãe" Amei a poesia contida neste "verso".
Tu tens, amiga, o dom de infiltrar-se no mundo da poesia e por lá passear de mãos dadas com os versos mais belos que, seguramente, fazem fila para te acompanhar. Ler os teus textos é adentrar esse mundo onde poucos são os escolhidos para usufruir das suas benesses, apesar de muitos por lá passearem sem ter a devida capacidade para colher seus frutos. Esse dom, minha querida, é para poucos, e tu o possui com muita sensibilidade.
Minha admiração e carinho no sorriso que fica a brincar agarradinho a uma estrela,
Helena

Gracita disse...

Oi Carmem
Que tessitura memorável neste conto soberbo. E o sol sempre há de vencer este vento tão atrevido minha querida
Beijos e um lindo dia

Fê blue bird disse...

O vento não nos vencerá!
Que texto lindo e inspirador, parabéns amiga Carmem.

Um beijinho

As Mulheres 4estacoes disse...

Que texto gostoso de ler, quase pude sentir o vento aqui.
Abraços

Clau disse...

Oi Carmem :)
Os ventos são muito persistentes...
E muitas vezes causam embaraços.
Mas ainda bem que não podem vencer
o sol...
Beijos!

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, o vento não respeita o conforto dos outros, ele chega, leva as folhas e as sementes para semear, ele gela no inverno, refresca no verão, ai... vento acalma-te.
O texto que denuncia o vento é maravilhoso.
AG

Ghost e Bindi disse...

Eis uma maravilhosa e criativa descrição da estação que aí vem...
Os ventos, ainda que cumprindo sua missão natural, realmente afugentam...mas nos colocam dentro de nossas casas, onde somos confortavelmente convidados a um convívio mais estreito com os entes queridos.
Um abraço, amiga!

๑۩۞۩๑ Bíndi e Ghost ๑۩۞۩๑

deep disse...

Um texto muito bonito, Carmem. :)

Bj

Reflexos e Sinais da Alma disse...

Olá ,

Belo texto, na verdade temos por aí Lugares onde o Vento teima em ficar, mas o Sol... esse Rei de Luz ,nunca nos deixa ficar mal :)

Gostei muito :)

Cumprimentos
Luis Sousa

Emília Pinto disse...

Os ventos sopram raivosos de todo o lado e, apesar dos raios de sol que nos têm visitado ainda serem poucos, já a nossa alma se aquece e enche de esperança. O sol é nosso e o vento também e por mais que tentem tirar-nos a serenidade, esses " malcriados, " havemos de ganhar coragem para nos agarrarmos àquele fio de esperança que se encontra bem no fundo do nosso coração. Parece frágil, esse fio, mas há-de aguentar. É só querer!. Muito belo este teu texto poético. Obrigada pela partilha. Um beijinho
Emília
agil, esse fio, mas

Vera Lúcia disse...


Olá Carmem,

Esta sua bela prosa poética deixou-me a pensar. Por um lado, vi um inconformismo gritante contra os 'ventos' que destroem sem piedade, varrendo sonhos e ilusões.
Por outro, vi uma linda construção poética sobre a força dos ventos naturais, advindos da própria natureza.
Seja qual for o foco da inspiração, o importante é que tais ventos jamais roubarão o sol, que há de brilhar, devolvendo o calor roubado a todos os corações.

Beijo.

Maré Viva disse...

Obrigada, Carmen, pela visita.
Li seu texto que achei belíssimo!
Em tempos fiz um poema que falava dos ventos. Vou procurar e depois mando-lhe, pois vejo que também "mexem" consigo, os ventos...
Ahh! Vejo que também é fã de Saramago!
Um abraço.

Andrea Liette disse...

Oh vento veloz e vilão
que despenteia as madeixas
do sol! Que texto lúdico e leve. Beijos e agradecida pela visita, Carmem.

Janita disse...

Por cá, parece que eles, os ventos, vieram morar de vez, quanto aos outros, os que sopram por todo o lado e nos fazem arrepiar, desolados e inquietos, esses temos que os vencer soprando todos juntos e com mais força!

Parabéns, Carmem! Belo texto!

Beijinhos

Silenciosamente ouvindo... disse...

Está muito zangado o srº. vento!!!
Farta-se de nos chatear...
Não gosto muito do seu atravimento
e do barulho que produz.
Bj.
Irene Alves

SOL da Esteva disse...

O sopro do vento nos acompanha em tempos bons e menos bons. É necessário deixar passar o vento na sua caminhada incessante.



Beijos


SOL

ReltiH disse...

¿ME PUEDES REGALAR UN POCO DE ESE VIENTO FRÍO?JEJEJEJE.
ABRAZOS

Lilá(s) disse...

Saboreei cada palavra, e saio de mansinho para não atrapalhar a ventania.
Muito lindo!
Bjs

heretico disse...

ventos desgrenhados
no (desa)sossego dos dias

beijo

Ana Freire disse...

Belíssimo texto, Carmem!
E fez todo o sentido, por estes dias, em que ventos fortes também sopraram por aqui, por estes lados... tão tumultuosos e indomáveis... mas não conseguiram soprar a Primavera!... Nem o Sol!...
E têmo-los de volta...
Como uma suave brisa... os seus textos sempre nos envolvem... e nos levam com eles...
Adorei, Carmem!
Beijos! Tenha um excelente fim de semana!
Ana

Vanuza Pantaleão disse...

Oi, amiga!
Obrigada por tua gentil visita ao nosso Matagal.
Esses ventos são assim mesmo, incontroláveis, mas ao rei sol eles respeitam e obedecem.
Gostei muitíssimo!
Um belo fim de semana, Carmem! Bjs

Existe Sempre Um Lugar disse...

Votos para que tenha um excelente fim de semana.
AG

MARIPA disse...


Minha querida,tomara que "esses ventos indomáveis" se vão...
e nos deixem desfrutar dos "raios doirados...algures por trás da montanha"!

Texto lindíssimo! Carmem, sabedoria e sensibilidade, juntas...

Beijinho amigo.

Tais Luso disse...

Esse teu belo texto vem ao encontro do que penso do vento: irritante, agressivo, destruidor! Gosto do sol e da calmaria. Nada que agrida a natureza, as flores, as árvores, os animais. E que não levantem ondas enormes no mar.
Beijo, Carmem!

Diana Fonseca disse...

Essa hospitalidade... Adorei!

José María Souza Costa disse...


Prezada, Carmen.

Seria o vento, um menino traquinas ?
Adorei o texto.
Desejos de um bom fim de semana. Abraços

ॐ Shirley ॐ disse...

Esse vento derruba as folhas, mas, há uma outra ventania, que derruba a nossa alma...
Carmem, um beijo!

Aline Teles disse...

Que texto mais bonito e gostoso de ler. Eu adoro textos que abordam o vento. Beijinhos estalados e obrigada pela visita.

Graça Pires disse...

Um texto excelente! São mesmo terríveis os ventos indomáveis, mas fazem parte da Natureza e por isso a terra os acolhe com essa simplicidade, apesar dos riscos...
Um beijo.

Smareis disse...

Lindamente escrito que envolve e nos viajar na leitura. Ventos que quase pude sentir aqui. Que o sol vença esse vento indomável.
Andei um pouco ausente por isso a demora em aparecer por aqui.
Um beijo e ótima semana!
Blog da Smareis- É só clicar aqui!

O meu pensamento viaja disse...

Excelente texto! Beijo

Isabel disse...

Um texto tão bonito, poético, para falar dum ser tão antipático: o vento!

Boa semana, Carmen:)

Andreia Morais disse...

Que texto maravilhoso!

r: É isso mesmo*

Lilly Silva disse...

Que maravilhosa postagem Carmem! Eu amo os ventos, mesmo os tempestuosos me trazem uma sensação de que trazem sempre com eles algo novo...Algum tipo de mudança em algum nível...
Beijos e beijos
E ótima semana!!!

http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

Benó disse...

Faz parte do ciclo da vida umas b oas ventanias para espalhar sementes, arrancar velhas folhas. Renovar.
Eu não gosto do vento mas admiro-o e respeito-o. Gostei do escrito.

manuela barroso disse...

E são ventos fora de horas de toda a espécie.
Irritantes, vamos contornando os arrepios obedecendo aos seus caprichos.
Como tudo tem um fim, esperemos que o sol apazigue a sua insistência.
Um texto com a vivacidade do vento!
Beijinho Carmen

cris braghetto disse...

Olá, Carmem.
Existe um provérbio Chinês que diz: "Melhor curvar-se ao vento do que se quebrar". Alguns ventos são realmente indomáveis.
Um texto encantador.
Agradeço a visita e a companhia.
Abraços e ótima semana.

Manuel disse...

Li devagar, muito devagarinho, esperando que que o encanto se mantivesse.
Acabou, é lindo e levo comigo todo o encanto.

Labirinto de Emoções disse...

Olá Carmem
Obrigada pela visita à minha casa..:-))))
Achei o texto uma delicia, sinceramente não gosto nada mesmo do vento, principalmente se ele é forte e estou na praia, fico feita croquete o que não é nada agradavel...
Mas uma brisa suave em dia de calor é um extremamente gratificante.
Um beijinho grande
Teresa

Pérola disse...

Ventos que me fizeram voar.

Beijinhos

Lucy Mara Mansanaris disse...

Nossa, como fluem leves as suas letras... Estou encantada, obrigada pelo acesso, saio leve e feliz pelas leituras.
Um forte abraço, lu.

EU disse...

Um texto muito a meu gosto, amiga.
Gostei muito!
Bjo :)