29/08/14

Eu tive um gato


Eu tive um gato.
Não era um gato qualquer,
Desses que só fazem miar,
Sem que se consiga
Lhes entender o falar.

Meu gato
Falava-me,
Contava-me
Coisas.
Confessava-me
Por onde andava,
E perguntava-me
Onde fora eu,
Quando me ausentara.

Meu gato
Escutava-me
Como mais ninguém.
Meu gato
Olhava-me nos olhos
Com aqueles seus
Que eram dum azul
Mais lindo,
Que nem o sei descrever.
Não era o azul
Do mais límpido céu,
Nem o do mar profundo.
Era um azul
Único,
Como mais nenhum
Eu vi igual.

E com seus olhos azuis
Me namorava,
Mas apenas
Quando estávamos sós,
Não fosse alguém
Achacar-se
Por ciumeira boba.

Meu gato
Além de português,
Era um siamês,
Com ascendência italiana,
Por certo,
Se não nesta,
Numa outra
Vida passada,
Pois que meu gato
Gostava
Do bom esparguete.
E quando lho servia,
Lambia os bigodes
E parecia
Sorrir-me
Aquele seu
Olhar azul.

Houve um gato
De olhos azuis,
Vindo do Sião,
Que era português
Com ascendência italiana,
Que amava esparguete
E gostava
De mim assim.

Não fui eu
Que o tive,
Foi ele
Que me teve
A mim.




Nota: Deve-se o nome siamês ao facto dos ocidentais terem-no "descoberto" em Sião - atual Tailândia.
Para quem quiser ler umas "curiosidades" sobre o gato siamês:
http://www.tudogato.com/2011/06/siames-thai-gatos-de-raca.html

A foto utilizada é meramente ilustrativa, não correspondendo ao gato que inspirou o texto.
O meu gato siamês de olhos azuis existiu realmente.
Viveu uma vida que durou escassos três anos. Já se foi há quase dez anos, mas durará enquanto nós, que convivemos com ele, durarmos e tivermos capacidade para recordar as tantas lembranças que ele deixou, como, por exemplo, sua paixão por massa, ou sua recusa em usar a caixa da areia que tinha à disposição, e sair, pelo exíguo espaço vulnerável que descobrira entre as telhas da marquise, para alcançar o jardim, seu wc de eleição.
Era dono de suas vontades. E assim nos cativou e nos fez amá-lo da forma como o amamos, a ponto de, ainda hoje, volvidos tantos anos, lembrá-lo, ainda emocionar.

7 comentários:

Maria Eu disse...

Ficou lindo, o seu gato, neste poema!

Beijinhos Marianos, Carmem! :)

Jussara Neves Rezende disse...

Que belo poema, Carmem. Num ritmo gostoso consegue expressar o amor vivido que só quem ama um animal pode entender.
Abraço!

Laura Santos disse...

Os animais que temos em casa sempre falam connosco, de uma forma ou de outra, principalmente gatos e cães.
Compreendo essa emoção ao recordar esse siamês de olhos azuis que te fez companhia e falou contigo; eles vão-se , deixando pegadas na nossa alma. Comigo foi um cão, do qual ainda hoje sinto uma imensa saudade.
A adoro cães e gatos, os primeiros pela dedicação, os segundos pela independência.
Muito bonito o poema,Carmem!
Bom fim de semana!
xx

José María Souza Costa disse...


Olá, tudo bem ?
Nesta tarde meio sol, meio cinza, de sábado aqui em Sampa, aproveito para te desejar, um fim de semana agradável. Cada um, dentro do seu proporcional tempo. Mas, não podemos esquecer, que é o Criador, o regente dos nossos sonhos e inspirações. Portanto, nesse caminhar de vontades, o que não aconteceu no dia de hoje, é por que, só realizar-se, em um tempo determinado. E todo tempo é tempo, desde que o Pai Eterno, assim, nos conceda.
Paz e Luz
Abraços.

Ghost e Bindi disse...

Que versos maravilhosos...não só pela forma, como pela inspiração emocional...sim, engana-se quem acha que "possui" um animal, eles são criaturas livres, que por sua vontade se deixam domesticar para usufruir de nossa companhia. Mas seus atos de livre escolha demonstram que continuam donos de sua vontade...abençoado quem pode conviver com estes serzinhos tão puros que adoçam nossas vidas.
Um grande abraço, Carmem!

Bíndi e Ghost

Graça Pires disse...

Gostei muito da homenagem ao gato de olhos azuis. Os animais afeiçoam-se aos donos como os donos fazem com eles...
Beijo.

EU disse...

Apesar de não ter presentemente nenhum animal em casa, gosto deles.
E como ficou bonito este poema!
Meu beijo :)