16/02/15

Que seja agora


Sei que o tempo te fez desesperar,
pois que a espera foi longa,
bem sei.
Mas vem,
que ainda estou aqui...
Meu corpo que te pareceu um dia
arrefecido...
Afinal enganou-se,
enganou-me a mim e também a ti!
A frieza que se fez sentir,
era do frio que chegara do Norte
e que ele sentia
regelar-lhe a alma.
Frio aquele, que não conhecia,
frio de que não ouvira falar,
frio que o assustou,
e afastou-te, a ti.
Mas vem,
vem mesmo assim.
Não temas.
O calor da brasa que reacende
mais forte que nunca,
sai deste corpo
cansado,
mas intrépido.
Vem, que se faz tarde.
Vem, e que seja agora!

15 comentários:

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Um chamado ao amor.
Lindo Carmem
bjs-Carmen Lúcia.

Ivone disse...

Lindo chamado,amei ler amiga Carmem!
Deixo aqui um abraço bem apertado!

Laura Santos disse...

Uma grande música do P. Abrunhosa, a ilustrar um belíssimo poema sobre um frio do passado que arrefeceu, enregelou e afastou,e um calor do presente , nascido de um corpo cansado, feito brasa na urgência do agora.
Muito bonito, Carmen!
Boa semana.
xx

Graça Pires disse...

A música, lindíssima, de Pedro Abrunhosa a ilustrar este chamamento de amor.
Beijo.

Magia da Inês disse...


Um poema comovente vindo do fundo da alma que ama. Muito lindo mesmo!

Boa semana!
。ه✿ྋ°•..

anamar disse...

Que náo desista mesmo...

abracinho,

Ana

Cristina Cebola disse...

Um apelo a que certamente esse amor não irá resistir....
Perfeita consonância, com a escolha musical.

Beijinho meu e boa semana:::::)

heretico disse...

"se tem que ser, que seja agora!..."

gostei. deveras!

SOL da Esteva disse...

Um chamado algo triste e desalentado. Mas, se tem de ser...
Boa articulação com o vídeo.
Parabéns.


Beijo



SOL

Helena disse...

Estes pedidos de amor que surgem na premência do momento, mais que um apelo se tornam súplicas de um coração que "acordou" para a importância do "calor da brasa que reacende mais forte que nunca". Por isso a urgência que se faz no corpo e a necessidade que se forma na alma.
Um belo chamamento de amor, soubeste dizer aqui nesse poema tão forte, tão imperativo, e ao mesmo tempo tão lírico.
Uma bela interpretação do Pedro Abrunhosa de uma música simplesmente maravilhosa, dessas que tocam a alma.
Enfim, Carmem, uma postagem com a tua marca, de sensibilidade e sofisticação.
Meu carinho nos sorrisos a brincar entre as estrelas,
Helena

Manuel disse...

As esperas, por vezes, são dolorosas.
Mas quando as portas não se fecham o regresso é sempre um hino ao amor.
Gostei muito desta mensagem de amor!

Gracita disse...

Oi Carmen
Um chamamento ao amor saudoso e triste mas infinitamente belo
Beijos no coração

Vera Lúcia disse...


Olá Carmem,

Caloroso clamor!
Enquanto há brasa acesa sempre será possível reacender a chama do amor e da paixão.

Um belo poema e uma linda música.

Obrigada pela presença amiga no aniversário do meu recanto.

Felizes dias.

Beijo.

Marisa Giglio disse...

Carmem , um apelo para o retorno do ser amado é sempre bem-vindo . Além disto , imagem e música complementam a bela publicação . Parabéns . Beijos

EU disse...

Há frios que não se entendem como chegaram. E congelam quem é atingido. Este um belo apelo para quebrar o gelo e gerar calor. Que chegue ao destinatário!
Gostei imenso, Carmen.
Parabéns pela escolha musical, também.
Bjo :)