08/03/15

Ser mulher no dia da mulher e nos outros também




Na minha rua
Há uma casa
Onde mora um monstro
Com rosto
De príncipe encantado
Que abre a porta
Aos terrores,
Que semeia
Um mundo de pavores,
Tantas lágrimas!
Indizíveis dores
Encerram os cómodos
Daquela casa.
Mas eis que sai à rua
O monstro
De braço
Com a princesa
Que no rosto traz
Lindo sorriso
E nos olhos
Esconde tristeza.

Para além de rosas, laços e sorrisos, não fica mal falar e manter viva a ideia da Organização das Nações Unidas ao instituir em 1975, o 8 de março como dia Internacional da Mulher para que se marcasse as conquistas políticas, sociais e económicas conseguidas pelas mulheres, duma luta iniciada na viragem do século XX, tanto na Europa como nos Estados Unidos, em que reclamavam por melhores condições de trabalho - numa altura em que “era normal” trabalhar 16 horas diárias e receber até 1/3 do salário masculino - e pretendiam ainda o direito ao voto.

Após tantas lutas e tantas conquistas, ainda tanto por conseguir.
A injustiça social e profissional e a violência dentro e fora de portas continuam a perseguir a mulher.

  • A mulher é vítima quando trabalha em condições semelhantes ao homem e recebe salário inferior;

  • A mulher é vítima quando é desrespeitada e assediada sexualmente no local de trabalho;

  • A mulher é vítima quando não lhe é garantido seu posto de trabalho para que possa assegurar a criação de seus filhos com dignidade;
  • A mulher é vítima quando, em nome de tradições culturais sofre mutilação genital, perpetrada por sua própria família;
  • A mulher é vítima quando, ainda em nome das tradições é obrigada, contra sua vontade, a casar-se;
  • A mulher é vítima quando é forçada a prostituir-se;
  • A mulher é vítima quando sofre de violência doméstica – no ano passado (2014), em Portugal morreram uma média de uma mulher a cada semana nas mãos de seus algozes; este ano já morreram seis mulheres – pode ver aqui.  ... Já o Brasil conseguiu uma vitória na luta em oposição à violência contra as mulheres com a aprovação, esta semana, no dia 3 de Março, do projecto lei que torna o feminicídio um "crime hediondo", em que a punição será mais severa sempre que uma mulher for assassinada por violência doméstica ou sexual - pode ver aqui.
  • A mulher é vítima quando é usada como arma de guerra – o horror da guerra é sempre maior para as mulheres e meninas que, cada vez mais, sofrem estupros brutais, são vítimas de tráfico humano, são tornadas escravas sexuais – como pode ver aqui num alerta do Vaticano na ONU.


Há vinte anos, líderes mundiais reuniram-se em Pequim e comprometeram-se a garantir os direitos das mulheres e jovens.

Hoje, Lucy Freeman – directora do programa de género, sexualidade e identidade da Amnistia Internacional diz que esses direitos estão ameaçados – pode ver aqui o relatório.


A APAV - Associação de Apoio à Vítima está a lançar uma música que tem poema do jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho e que quer ser um hino pelas vítimas da violência doméstica. São oito cantoras portuguesas que querem dar a voz por quem sofre em silêncio.
Pode ouvir e fazer o download da canção aqui no site da APAV.




Bem, se você, como eu,  MULHER, teve a coragem de lembrar de todas estas realidades e chegar aqui, só me resta, para finalizar, sorrir-lhe e desejar do meu coração, que hoje, amanhã e nos dias que hão-de vir, você e eu possamos viver dignamente na condição de mulher, que apenas quer e merece ser ser humano.







20 comentários:

Emília Pinto disse...

Um bela homenagem que aqui fazes a todas nós mulheres. O meu pensamento tem ido hoje para todas aquelas que vivem em casa com verdadeiros " lobos em pele de cordeiros "; sao muitos, amiga e alguns deles bem perto de nós. Pela parte que me toca aqui te deixo um beijinho muito especial de agradecimento e os sinceros votos de que os teus dias sejam aquilo que mais desejas para te sentires uma mulher realizada em todos os aspectos. Até sempre!
Emilia

Elvira Carvalho disse...

Um excelente texto. Pena que o dia Internacional da Mulher, em Portugal tenha perdido o sentido e se tenha reduzido à mera insignificância de almoços ou jantares só de mulheres onde muitas vezes acabam por copiar o comportamento masculino, naquilo que ele tem de pior.
Um abraço e parabéns pelo seu texto.

Fê blue bird disse...

Estou 100% em sintonia consigo minha amiga.
Se puder và ver o meu post de hoje e vai perceber porquê.
Estas mulheres não podem ser esquecidas!

beijinho

luisa disse...

Como aqui se diz: tanto ainda por fazer.

ReltiH disse...

UN POST QUE DEJA MUCHAS REFLEXIONES.
UN ABRAZO

Luma Rosa disse...

Oi, Carmem!
Como não concordar com todo o seu texto? Ainda temos muito o que conquistar e sei que em Portugal, a situação da mulher não é lá muito boa.
Parabéns pelo dia da Mulher! Que esse dia que passou sirva de incentivo e inspiração para os outros dias de nossas vidas!!
Beijus,

Mariazita disse...

Bom dia, Carmem
Óptima postagem!
É necessário, urgente e premente chamar a atenção para o problema principal de que a mulher está sendo vítima, e que parece ter tido um recrudescimento nos últimos tempos- a violência!
É horrível o número de vítimas, que aumenta dia a dia.
Gostei do vídeo, mas este, quanto a mim, é muito melhor. Ora veja:

https://www.youtube.com/watch?v=laVqVyU9vR8

Obrigada pelas suas palavras de carinho na minha «CASA».

Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Manuel disse...

Belo poema que deixa escondido, mas tão visíveis, tantos dramas espelhados em rostos que riem mas tão tristes.
Magnifico.
A imagem, não sei se é raiva ou desespero, talvez a revolta.

Moacir Willmondes disse...

Luta infindável, essa, mas necessária.

Parabéns pela veemência, Carmem, e pela data!

heretico disse...

Mulher, ser humano!

excelente síntese de todas as palavras gastas em comemorações.

beijo

Smareis disse...

Um texto magnifico, que faz refletir a respeito desse sofrimento que a mulher ainda passa. Mesmo com essa Lei Maria da Penha a violência continua crescendo dia após dia. As leis não intimida o homem, parece que deixa-os mais furiosos, creio que é por isso que muitas mulheres prefere o silêncio do que a denuncia.
A violência domestica é assustadora, e tem crescido dia após dias.
Parabéns pela postagem!

Desejo uma excelente semana!
Um excelente mês de março!
Um Abraço!

© Piedade Araújo Sol disse...

embora não seja apologista de dias disto e daquilo que em muitos casos são só para consumismo, gostei muito de ler este post desde o poema e ao texto muito bem escrito.
boa semana.
:)

lis disse...

i Carmen
Parabéns a todos nós por todos os dias que lutamos como mulher mãe esposa trabalhadora e mil e outras utilidades rs
Guerreiras que somos !
grande abraço e obrigada pelo texto excelnte .

A disse...

Intenso, verdadeiro e necessário! Temos que nos lembrar de tudo isto mais vezes :)

Eliete disse...

olá Carmem obrigada pela sua visita e por dar-me a oportunidade de conhecer seu blog e suas ideias. bjs

Bolhinhas de Sabão para Maria disse...

Olá Carmem, muitas conquistas já vieram, mas temos muitas ainda por fazer...
Linda homenagem! Feliz TODO dia da mulher!

Beijos e agradecia pela visita ao Bolhinhas. Volte sempre!

Lilly Silva disse...

Ótimo post, e parabéns sempre a todas nós!!!
Bjus mil ♥

http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/2015/03/entrevistando-o-novo-colaborador-arthur.html

Mi F. Colmán disse...

Oi Carmen.
Adorei o post, do início ao fim.
O poema é tão real, infelizmente...
Muitas vezes são pessoas que estão ao nosso redor, vivem perto de nós, são de nossas famílias e, como mostram-se publicamente felizes, não fazemos ideia do que acontece quando a porta se fecha.
Sim, agora no Brasil o feminicídio é considerado crime hediondo, porém, não se iluda, a justiça aqui é falha demais.
Beijos e muito obrigada pelas visitas, tanto ao meu antigo quanto ao meu novo blog.

Rivotril com Coca-Cola

Eliene de Castro Bittencourt disse...

Olá Carmem, adorável visitante com palavras encantadoras e cheias de verdades. Amei sua visita e retribuo carinhosamente em agradecimento também pela oportunidade que me deu em conhecer o seu espaço tão rico nas presenças marcantes dos nossos grandes poetas. Grande homenagem as mulheres guerreiras do dia a dia. Abraços carinhosos.

EU disse...

Sou mulher em pleno sentido da palavra, incluindo a sensibilidade para a discriminação de que ainda são (e serão) alvo. Para não falar do grave problema da violência doméstica, a visível e a encapotada...
Gostei imenso de te ler.
Meu bjo, Carmen