30/03/15

a teoria cinzenta de minha avó

http://www.wikiart.org/pt/robert-henri/spain-1902


As pessoas antigas, daquelas que vão deixando já de existir no nosso dia-a-dia, como no caso de minha avó, que, a ser viva, já teria completado 101 anos, toda a vida defenderam que a Quaresma era sempre cinzenta, para lembrar aos homens as suas falhas.
Sempre tive minhas dúvidas acerca dessa teoria e mantenho-as, apesar de ser impossível não me lembrar da teoria de minha avó, quando nesta altura, o tempo resolve mostrar-nos sua face cinzenta.
Deste lado do oceano Atlântico, coincidindo esta época com a chegada da primavera, tempo de transição das agruras dum inverno, que não nos querendo deixar, ainda teima em ameaçar-nos, brincando de esconder o sol, é ainda mais fácil contradizer técnica e cientificamente a teoria cinzenta de minha avó.

Mas, com tudo isso, é facto que a Quaresma com tempo nublado leva-nos mais facilmente à circunspecção, independentemente do cariz religioso.
Essa circunspecção acompanhada de reflexão é necessária, não se põe em causa. Mas que seja para construirmos uma técnica de actuação, à semelhança do futebol, para driblar os abismos e conseguirmos a plenitude da vida e não apenas sobreviver ao caos.

Aliada à primavera,em que a natureza parece se espreguiçar depois do interregno a que se deu na estação passada, a Quaresma surge como estímulo para a renovação e o desabrochar.
Se não há quem conteste a sabedoria da primavera que instintivamente se abre em flor, será, por certo, sensato nos permitirmos florir e encher de cor para contrariar os cinzentos da vida.




*nota da bloguista: a ilustração corresponde a uma obra de arte do pintor americano Robert Henri, que viveu entre 1865 e 1929, e foi um dos fundadores da escola Ashcan (Ash Can) - início séc.XX - em que os artistas se especializaram em retratar em suas obras a vida diária de Nova Iorque.

http://www.wikiart.org/pt/robert-henri/spain-1902

31 comentários:

Ivone disse...

Lindo e reflexivo texto, é mesmo assim, quando há o brilho do Sol tudo parece ameno, Ele é luz e calor, tudo o que nossas almas anseiam, eu amo o frio, mas entre sol e brilho, acho que todos também pensam assim, dias cinzentos deprimem, acho que é isso!
Linda amiga, sempre me lembro da minha avó, minha mãe, elas deixaram lindo legado em minha vida, eram sábias, ou melhor, os antigos sempre tiveram sabedoria!
Amiga, desejo que tenhas uma linda Primavera, que o Sol brilhe por aí, mas se isso não acontecer, imagine-o, Ele sempre está lá, no devido lugar esperando que as nuvens possam passar!
Deixo abraços bem apertados!

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Um texto maravilhoso Carmem e os antigos tinham as suas razões e nos passavam esses ensinamentos,como se os dias eram cinzentos na quaresma para que pudéssemos refletir um pouco mais sobre a morte de Cristo.
Adorei.
Bjs-Carmen Lúcia.

Nadja disse...

Olá Carmen!

Lindo texto!
E bastante tocante...
Os antigos nutriam uma certa melancolia em determinadas observações.
Sei disso, porque meus pais eram antigos. Aliás, meu pai está com 94 anos de idade.
Muitos fatos que vivenciamos em nossos dias, certamente, são mais coloridos sob o nosso ponto de vista.
Porque temos uma visão diferente, o que é bom em certos casos.
Eu vejo a vida como uma mistura de cores, não importa a situação.
Hoje, por exemplo, fui ao velório de uma vizinha do meu pai, senhora vaidosa, trabalhadora, alegre.
Mesmo cega por causa da Diabetes e sofrendo as agruras do câncer de pulmão, ela levou seu final de vida da melhor maneira que pode.
Lavava louça, penteava os cabelos, fazia questão de ter as unhas esmaltadas...
Apesar da tristeza deste dia, procurei relembrar somente das boas lembranças, e foi assim que me despedi de Dona Ana.
Lembrando apenas os bons momentos!
Que a nossa vida seja sempre colorida com pitadas de cinza, marrom ou preto.
Afinal...
"Todas as cores brilham no escuro"

Francis Bacon

Grata pela simpática visita! Apareça sempre, tá?

Linda semana!

Bjksss

Mariangela do Lago Vieira disse...

Como eram sábios os nossos antepassados... Se analisarmos, tudo tem sempre fundamento!
Que boa postagem Carmem.
Uma ótima semana!
Abraços!
Mariangela

PERSEVERÂNÇA disse...

Feliz segunda-feira!
Nessa troca de informações, vamos adquirindo com o passar dos anos infelizmente uma grande perda de valores; valores esses que faziam quando adultos grande homens/mulheres.; nesta questão também as familias sofreram alterações na forma de ver a religião como a União de povos, interagindo com respeito aos mais velhos.
O avanço da tecnologia trouxe essa separação da Fé e da moral.
Sensacional seu texto.
Grande abraço
Nicinha

Lilly Silva disse...

Que tão belo texto Carmem...
Que nos leva a reflexão, o que é sempre bom, para esses nosso dias corridos pela vida!!!
Amei o post!!!
Beijos e beijos mil amiga!!!
E que tenhas uma linda e abençoada semana!!!

http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

EU disse...

Quase me arrepiei ao iniciar a leitura deste excelente texto. Explico: acabei, há pouco tempo, de escrever (e enviar para uma Coletânea) sobre o legado matricial que bebi da minha avó paterna. Um dos aspetos que tenho bem presente é este de que falas - o tempo pascal. E como me lembro do que me contava...
E resumo: a tua reflexão tem todo o cabimento; respeitemos os cinzentos mas apenas como passagem para um novo tempo.
Bjo, Carmen :)
(Precisamente porque andava a escrever, demorei a vir aos espaços d@s amig@s...)

Ana Paula disse...

Carmem, os antigos estão nos deixando e com eles se vão muita sabedoria e atitudes que tão bem fariam se perdurassem. A Quaresma, por exemplo, um tempo de maior introspecção, mesmo para que os não são religiosos, faz se muito bem a interiorização, mudanças internas, ou apenas, simplesmente silêncio.
Recentemente, chegou-nos um convite aqui do condomínio, de um baile de carnaval para as crianças na quaresma. Será que precisa de festa o tempo todo?
Será que não se consegue mais ter pitadas de cinza no nosso viver?
Adorei o texto e a reflexão.
Beijo!

Lourdinha Vilela disse...

Muito lindo o texto.
"Driblar os abismos e conseguirmos a plenitude da vida, não apenas sobrevivermos ao Caos" . Belíssimo pensamento. Nesse ponte já
deixaremos a cor cinza e viveremos um pouco o sentindo Pascoal, verdadeiros passos para a Primavera.
Um abraço.

Lourdinha Vilela disse...

Oi Carmem, concertando um errinho, acho que escrevi Pascoal, e vez de Pascal, corrigindo agora. Bjs.

Guaraciaba Perides disse...

O que nos anima é que as estações mudam, o tempo passa, os dias correm de sol a sol, a lua muda de tamanho em cada fase, as dores e alegrias são mutantes e tudo debaixo do sol se transforma em cores que nos animam ou nos deprimem...assim a história de Cristo nos ensina que depois do cinza dolorosa Paixão, a Páscoa traz o alegria iluminada da Ressurreição.
Feliz Páscoa e um abraço

Moacir Willmondes disse...

Bom dia, Carmem!

Embora aqui no hemisfério sul seja outono, pode-se perceber mesmo um convite à circunspeção em razão dessa época tão importante para o cristianismo. Ponto para sua avó!

Um abraço!

Ghost e Bindi disse...

As pessoas mais antigas pareciam confundir um pouco respeito com tristeza...assim, para mostrar respeito, precisavam estar com umas carinhas melancólicas, trajando roupas escuras e falando baixo.
Mas acho que a alegria é uma forma de respeitar também; pois levar alegria ao outro, é uma bela forma de fraternidade e amor à vida, nossa e alheia.
Um abraço pelo seu belo texto, Carmem. Uma feliz primavera para você.
Bíndi e Ghost

SOL da Esteva disse...

Jamais esqueço esses "apontamentos" de sabedoria que nos iam sendo legados no momento oportuno e seguro; não mais se perdiam (nem perdem).
Os dias cinza ou "chumbo" da Quaresma são reportados aos ciclo lunares, daí a Páscoa ser variável na sua celebração.
Um pouco de "sabor" do passado, é refrescante.
Parabéns, Carmem.

Páscoa Feliz.


Beijos


SOL

Ana Freire disse...

Que este período seja de reflexão, associado à renovação, que a Primavera sempre evoca... para que não se perca a esperança no renovar dos sonhos... que é o que efectivamente dá cor aos nossos dias.
Um belíssimo post, Carmem!
Aproveito para deixar os meus votos de uma feliz Páscoa, para si, e todos os seus, visto ir ausentar-me do blog, durante alguns dias.
Beijinhos
Ana

Isabel disse...

Junto com a sabedoria dos nossos antepassados, também havia muito cinzentismo, fruto da situação política e até da época. Hoje evoluímos, em algumas coisas para melhor noutras para muito pior...enfim..
É bom um tempo de reflexão e inevitavelmente esta é uma época propícia a isso.
Boa Páscoa, para si e a sua família, Carmem:)

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Olá Carmem,estou passando para lhe desejar uma Feliz Páscoa,extensiva a todos os seus familiares.
bjs-Carmen Lúcia.

ReltiH disse...

un tema reflexivo.
abrazos

Olinda Melo disse...


Nem mais! :) É assim mesmo que se enfrenta a vida. Ao cinzentismo opomos todas as cores do arco-íris, na sua maior glória. Ao derrotismo arvoremos todo o verde da mãe Natureza.

Adorei o seu texto. Trouxe-nos um toque de optimismo e de esperança.

Boa Páscoa, Carmem.

Bj

Olinda

Crista disse...

Bem vinda em meu blog e em meu coração!

Emília Pinto disse...

E é o que mais te desejo, que essa cor encha os teus dias sempre. Feliz Páscoa, amiga e que a ressurreição te renove a esperança de um mundo melhor para todos nós, um mundo onde os homens se tornem verdadeiros seres humanos. BEIJINHOS
Emilia

O meu pensamento viaja disse...

Carmen, ao ler o seu comentário, mal poderia imaginar que aqui encontraria a reflexão sobre o mesmo tema.
Engraçado que não é fácil descolar os rótulos que as nossas avós em nós colaram. A minha dizia que sexta-feira santa, seria dia de céu cinzento e - era ainda mais precisa - que às 3 da tarde o sol se esconderia.
Hoje, caminhando junto ao mar, fui assaltada por essas memórias, eu pragmática, prática, relutante à religiosidade. Lá está, o rótulo/convicção da avózinha cola mesmo!
Quanto à força da primavera, eu gosto das estações, gosto do ciclo da mudança e cada estação representa para mim um desafio, uma espécie de roleta russa.

Bom fim de semana, Carmen! Se possível iluminado pela pujança do sol.

Beijo da Nina

lua singular disse...

Oi Carmem,
Os mais velhos, sem nenhuma faculdade tinham mais discernimento que as pessoas mais jovens, haja vista, que já estou envelhecendo e agora criando coisas dantes inimagináveis.
As avós são umas sábias
Beijos

Laura Santos disse...

Belo texto, Carmem!
A vivência da Quaresma em contexto de Primavera, acaba por obter um sentido de renascimento e renovação, que a Quaresma vivida num contexto de Outono.
A teoria cinzenta da avó poderia não ter apenas com esse contexto, mas talvez tivesse sido, mesmo que inconscientemente, influenciada por isso. Para além da reflexão que deveria ser feita sobre as falhas humanas.
Páscoa feliz, Carmem!
xx

Algodão Tão Doce disse...

É Páscoa! Cristo está vivo, o túmulo está vazio, Ele ressuscitou!!! A mais bela festa dos Cristãos.
Crentes no Amor de Deus Pai que nos deu seu Filho Jesus Cristo que permanece conosco pela força do
Espírito Santos, seguimos nossa caminhada na construção de um mundo mais justo, fraterno, humano,
harmonioso e de doação.
Todos somos promotores da Paz!
Feliz, Santa e Abençoada Páscoa.
Um doce abraço, Marie.

Graça Pires disse...

Um texto para reflectir. A avó, na sua sabedoria falava da paisagem interior de cada pessoa, do introspecção que é necessário fazermos...
Um beijo e boa Páscoa.

Manuel disse...

Cara amiga, julgo que a sua avó, tal como a minha, tinham esse pensamento como um estado de alma.
Para elas, esta quadra, era demasiado intensa a nivel religioso e, talvez, fosse por esse motivo que a consideravam cinzenta.
Esta Primavera deu um ar de sua graça mas, pelo que vejo, não será por muito tempo.
Muito oportuna esta sua crónica.
Boa Páscoa!

Gracita disse...

Oi Carmen
Se o dia está cinzento fazendo jus à teoria de sua avó cabe a nós dar-lhe cor espalhando à nossa volta sorrisos de alegria e felicidade.
Espero que ao abrir teu ovo da páscoa você encontre dentro dele um bombom de amor com os meus desejos de uma feliz e abençoada páscoa
Um domingo feliz pra você e os teus
Beijos no coração

Gaby Soncini disse...

Uma época cinzenta que aos poucos vai de desdobrando nas primeiras flores e cores.

Beijos!

Araan disse...

Belíssimo texto
beijos1

redonda disse...

Gostei muito do seu blog. Já me tornei seguidora e vou voltar.
um beijinho
Gábi